APONTAMENTOS SOBRE O CASO DO RECONHECIMENTO FACIAL A PARTIR DE VIDEOMONITORAMENTO EM VIAS PÚBLICAS PARA FINS PENAIS NO BRASIL

Autores

  • Fernanda Miler Lima Pinto

DOI:

https://doi.org/10.55906/rcdhv8n1-019

Palavras-chave:

Videomonitoramento, Reconhecimento Facial, Processo Penal, Direito, Tecnologia

Resumo

O presente artigo parte de uma análise bibliográfica para investigar sobre o caso do reconhecimento facial por câmeras de vigilância (videomonitoramento) em locais públicos para fins penais no Brasil. Nessa pesquisa almejou-se compreender esse fenômeno e como ele propõe alterar formas e procedimentos tradicionais do Direito. O artigo, primeiramente, expõe brevemente como a sociedade está se modificando, partindo de uma perspectiva geral acerca da sociedade da informação e da tecnologia para uma mais específica, dos efeitos na situação penal brasileira. Em seguida, aspectos importantes da tecnologia de reconhecimento facial, recém aplicada no Brasil, são desenvolvidos nesse trabalho, discutindo sobre diversas matérias, como: falsos homônimos faciais, black surveillance e a possibilidade de flexibilização de garantias. Por fim, discute-se a relação dessa tecnologia com os meios de obtenção de prova, o processo penal e o princípio do nemo tenetur se detegere.

Referências

AMARAL, Thiago Bottino do. Do direito ao silêncio à garantia de vedação de auto-incriminação: O Supremo Tribunal Federal e a consolidação das garantias processuais penais. Tese (Doutorado em Direito) - Faculdade de Direito. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2008.

ANDRADE, Vera Regina Pereira de. Sistema penal máximo x cidadania mínima: códigos da violência na era da globalização. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2003.

BAUMAN, Zygmunt. Medo Líquido. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

BECK, Ulrich. Incertezas Fabricadas. IHU Online. São Leopoldo, v. 181, p. 1-75. 2006. Disponível em: <http://www.ihuonline.unisinos.br/media/pdf/IHUOnlineEdicao181.pdf >. Acesso em: 20 dez. 2019, p. 05.

CARVALHO, Luzia Alves de. A condição humana em tempo de globalização: a busca do sentido da vida. Revista Visões, Bela Vista Macaé, FSMA, Volume 1, Nº4, Jan/Jun, 2008.

CERQUEIRA, Daniel; et al. Atlas da Violência 2018. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Fórum Brasileiro de Segurança Pública: Rio de Janeiro, 2018. Disponível em:< http://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/download/9/atlas-2018 > Acesso em: 20 dez. 2019.

DELEUZE, Gilles. Post-scriptum sobre as sociedades de controle. In: DELEUZE, Gilles. Conversações. 1ª ed. Rio de Janeiro: Editora 34, 2000.

ENGELMANN, Wilson. Estruturando um ambiente regulatório pluralístico a partir da gestão dos riscos nanotecnológicos e da responsabilidade empresarial. In: BRAGATO, Fernanda Frizzo (org.), et al. Constituição, Sistemas Sociais e Hermenêutica: Anuário do Programa de Pós-Graduação em Direito da Unisinos. [ebook] Nº 15. São Leopoldo: Karywa, Unisinos, 2019.

FOLADORI, Guillermo. Normas voluntarias ISO para nanotecnología en América Latina. In: ENGELMANN, Wilson (org); et al. As Normas ISO e as nanotecnologias: entre a autorregulação e o pluralismo jurídico. [e-book]. São Leopoldo: Karywa, 2017.

FROIS, Catarina. Video Surveillance in Portugal Political Rhetoric at the Center of a Technological Project. Social Analysis (Berghahn Journals), [s. l.], v. 55, n. 3, p. 35-53, 2011. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/272212508_Video_SurVeillance_in_Portugal_Political_Rhetoric_at_the_Center_of_a_Technological_Project. Acesso em: 20 dez. 2019.

GOVERNO DE SANTA CATARINA. SC tem primeiras prisões indicadas por sistema de câmeras de monitoramento. 2019. Disponível em: https://www.sc.gov.br/index.php/noticias/temas/seguranca-publica/sc-tem-as-primeiras-prisoes-indicadas-por-sistema-utilizado-em-cameras-de-monitoramento-da-secretaria-de-estado-da-seguranca-publica. Acesso em: 04 jul. 2020

GRINOVER, Ada Pellegrini. A iniciativa instrutória do juiz no processo penal acusatório. Revista do conselho nacional de política criminal e penitenciária, n. 18, p. 15-23, 2005. Disponível em: < http://depen.gov.br/DEPEN/depen/espen/RevistadoConselhoNacionaldePolticaCriminalePenitenciria2005.pdf#page=15 > Acesso em: 20 dez. 2019.

HOHENDORFF, Raquel Von. As categorias de risco e perigo na teoria de Niklas Luhmann: caracterizando risco e perigo de modo a posicionar o direito em um cenário de complexa distinção frente aos desafios das novas tecnologias. In: BRAGATO, Fernanda Frizzo (org.), et al. Constituição, Sistemas Sociais e Hermenêutica: Anuário do Programa de Pós-Graduação em Direito da Unisinos. [ebook] Nº 15. São Leopoldo: Karywa, Unisinos, 2019.

KROHLING, Aloísio; BOLDT, Raphael. Entre cidadãos e inimigos: o discurso criminalizante da mídia e a expansão do direito penal como instrumentos de consolidação da subcidadania. Revista Direitos Fundamentais e Democracia, v. 4, n. 1, p. 16 – 30, jan./mar., 2008.

LIMBERGER, Têmis. Transparência e acesso aos dados e informações: o caso do “facebook” – um estudo comparado entre o RGPD europeu e o marco civil da internet no Brasil. In: STRECK, Lenio (org); et al. Constituição, Sistemas Sociais e Hermenêutica: Anuário do Programa de Pós-Graduação em Direito da Unisinos. Mestrado e Doutorado. [ebook] Nº 14. São Leopoldo: Karywa, Unisinos, 2018.

LISBOA, Vinícius. Câmeras de reconhecimento facial levam a 4 prisões no carnaval do Rio. Agência Brasil, Rio de Janeiro, p. on-line, 8 mar. 2019. Disponível em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2019-03/cameras-de-reconhecimento-facial-levam-4-prisoes-no-carnaval-do-rio. Acesso em: 20 dez. 2019.

MIRANDA, Diana; MACHADO, Helena. O detetive híbrido: inovação tecnológica e tradição na investigação criminal. Revista Tecnologia e Sociedade, Curitiba, n. 20, p. 11-24, 2014. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/4966/496650342002.pdf. Acesso em: 20 dez. 2019.

MONITOR DA VIOLÊNCIA. Raio X do sistema prisional em 2019. G1, 2019. Disponível em: <http://especiais.g1.globo.com/monitor-da-violencia/2019/raio-x-do-sistema-prisional/> Acesso em 02 mai. 2019.

MORAES, Alexandre Rocha Almeida de. Breves Considerações sobre o “Direito Penal do Inimigo”. São Paulo: MPSP - Procuradoria Criminal, 2009.

NUNES, Pablo. Novas ferramentas, velhas práticas: reconhecimento facial e policiamento no Brasil. In: RAMOS, Silvia (coord.). Retratos da Violência – Cinco meses de monitoramento, análises e descobertas. Rio de Janeiro: Rede de Observatórios da Segurança/CESeC, novembro de 2019.

QUEIJO, Maria Elizabeth. O direito de não produzir prova contra si mesmo: O princípio nemo tenetur se detegere e suas decorrências no processo penal. São Paulo: Saraiva, 2003.

SANTANA, Luciene da Silva; RIBEIRO, Dudu. Bahia: Modelo centrado na força policial penaliza negros e negras. In: RAMOS, Silvia (coord.). Retratos da Violência – Cinco meses de monitoramento, análises e descobertas. Rio de Janeiro: Rede de Observatórios da Segurança/CESeC, novembro de 2019.

SERRES, Michel. Polegarzinha. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

WEDY, Miguel Tedesco. Eficiência, garantias e justiça no processo penal. Revista de Estudos Criminais. Porto Alegre, n. 52, p. 163-186, jan/mar, 2014.

Downloads

Publicado

2023-03-22

Como Citar

Pinto, F. M. L. . (2023). APONTAMENTOS SOBRE O CASO DO RECONHECIMENTO FACIAL A PARTIR DE VIDEOMONITORAMENTO EM VIAS PÚBLICAS PARA FINS PENAIS NO BRASIL. Revista Campo Da História, 8(1), 300–318. https://doi.org/10.55906/rcdhv8n1-019